terça-feira, 19 de setembro de 2017

;



Existem rodas vivas, loops constantes , ciclos que parece nunca mais acabarem.
Existem mundos entre mundos , ramificações e consequências insuportáveis.
Existem dias atrás de dias presos á mesma raiz que se afunda no mistério do tempo.
Existem vidas que dão a mão com a morte e dão á luz estranhos rebentos da criação.
Existem mulheres feridas por todo o lado carregando as marcas de incompreensão seculares.
Existem os berços de ouro e as camas de palha , e entre o amor e ódio que ali repousaram
e as histórias que foram escritas  ,ficam sempre demasiados detalhes por contar.
Os escorregas e as discrepâncias, uma sociedade doente mas fecunda na medicação ,
Homens esmagados , forçados a vomitar alma , filhos marcados para todo o sempre,
Existem moribundos de fome que perecem sem teto, guerras e ameaças nucleares,
Manipulação ao próprio centro da Terra.
É tudo natural.
No meio do caos, existem flores virgens que despontam ignorantes e são chamadas de amor.
Vêm da forma do nada e com a força do tudo.
São as aves raras que ainda reconhecem beleza no mundo.
Existem sempre armas com elas em mira .
Muitas morrem alvejadas ainda no seu primeiro voo.
Outras tornam-se mais astutas e migram para zonas mais seguras.
Pousam no ramo , na nova habitação.
Escrevo com uma caneca de café fumegante nas mãos e oiço dois tiros lá ao longe.
Regela-se a alma já habituada , Outra que se foi ...
O sangue nas asas agora inerte, tem cheiro intenso de quem amava mais alto do que alguém deveria arriscar amar .
Ela sabia que não estava segura em lado nenhum,
foi por isso que tentou a sua sorte.
E outro loop, outro movimento célere na roda se iniciou.
Mas são os caçadores que acabam com barriga cheia , e ave rara, decorada de pétalas exóticas e corajosas, acabou por não ter oportunidade de nada.

Existem situações incompreensíveis neste mundo ,
cada alma com um novelo e poucas são as que atinam como o desenmaranhar.







Sarah Moustafa

segunda-feira, 18 de setembro de 2017

!




Votos de confiança, cada vez menos.
As pessoas têm sempre uma motivação secreta, e maioritariamente dúbia, para se aproximarem de ti .
Até pode ser uma pulsão incontrolável e inconsciente, mas tu não tens culpa ou tens de levar com isso.
Como se não tivesses os teus próprios demônios para exorcizar , toma lá mais estes e estes e estes estes ....
Se te dispuseres a ser um tapete , as pessoas por mais que te adorem , vão te usar mesmo.
Se te dispuseres a ser mula de carga, não te queixes das dores nas costas e das contraturas manhosas.
Não sei se sabem , mas o peso tende a piorar.
Se te dispuseres a ser magoada , o homem a tua frente por mais que tente ter cuidado, vai querer dar cabo de ti de todas as formas que conseguir.
É matemático.
Esse foi o meu problema, detesto números e ciências.
E agora resolver o problema ? :)
Ás vezes o perigo é tão óbvio e tu sorris que nem uma parva " desta vez vai ser diferente " .
NÃO VAI.
A diferença só partirá de ti e das boundaries que começares a impor na tua vida , o que permites e o que não aceitas de todo.
Aqui sê de ferro , vais agradecer o resultado final.
É melhor ser um pouco arrogante e assertiva do que ser " camarão que dorme e a onda leva ".
Não acomodes ninguém onde nem tu queres estar.
Confia, tendo provas que podes confiar.
Umas trincas do lobo mau , só de porta fechada, gemidos bem altos e na forma de uma bolinha vermelha.
Vamos brincar  ?
De manhã, ele tem que continuar a querer dar-te tratamento de Rainha .
Testa, faz BIRRA.
Os que sorriem para ela e ainda te trazem o café á cama são os Keepers.
Os que te puserem anel de Diamante no dedo , podes arranja-lo numa daquelas máquinas com brindes  , os que te trazem uma Rosa mesmo quando dizes não gostares nada dessas tretas lamechas, os que te incentivam a deixar-te de merdas e a ires atrás dos teus sonhos.
Os que te abanam e empurram contra a parede quando precisas de uma chapada de realidade.
Os que te vêem a babar na almofada e ainda te acham a coisinha mais Sexy, os que ressonam que nem tordos e continuam a ser com quem queres partilhar todas as noites.
Esses sim, confia, devagarinho , passo a passo.
E depois entrega-te.

O Coração é Rubi que vale Ouro.
Não permitas que te roubem.
Não permitas.



domingo, 17 de setembro de 2017

(...)





A verdade, permanece sufocada , prisioneira nas tuas mãos .
Será que já se fundiu na tua pele, tão incrustada permanece, que já não sabes dela?
Ou como libertar o peso de várias encarnações e deixar o pássaro no teu coração , absolver-se e falar.
Tornei-me no mais belo retrato das tuas insuportáveis falhas e o nó mais apertado dos erros que não sabes como reparar.
Escondes-te dentro do armário como um menino perdido no labirinto dos seus medos.
Está tão escuro ...
Não queres que me descubram , que me vejam que saibam que me trancaste.
Meu Peter Pan...
Fui outro sonho de que tiveste de abdicar ?
Não consegues crescer enquanto a minha memória existir.
Queres voltar atrás no tempo ?
O Que será que farias ?
Voltarias ao primeiro momento ou evitarias estar presente de todo?
Afinal aquela aula era só para mim.
Fecho os olhos, não estás.
Então porque te sinto em todo o lugar?
Parte do que me deixaste, foi a descoberta deste mundo invisível.
Agradeço-te mas é difícil viver só com o teu espirito, ainda estamos tão vivos e nós exigimos a carne.
Sinto que adoeces sem mim.
Já não és o mesmo e eu também não , e essa noção mata-me um bocadinho.
Éramos tanto .
Sou forte.
Tudo acontece por uma razão.
Perdemos o Norte em vez de termos sido simplesmente caminho.
Não sei porque o fizeste, sei que está feito.
A escolha .
É tão irreparável que o Mundo inteiro pára para nos ver chorar.

Não é bonito.
Não é nada bonito.



Sarah Moustafa

sábado, 16 de setembro de 2017

!



Questões a considerar quando estás a tentar recuperar o teu poder pessoal e a noção de valor que alguém , pela sua falta de cuidado, deturpou.
Recorre insistentemente á memória seletiva , se eles podem distorcer factos porque tu não podes seleciona-los ? , escolhe os momentos e as palavras , em que os filhos da mãe até disseram algo de jeito , e por menos autêntico que possa ter sido e apenas para ajudar o encontro no vale dos lençóis ,  " vale tudo" , agarra possessivamente os momentos em que te enalteceram/ajudaram  e te disseram coisas como:

- És linda (  right ?? )
- Intrigas-me ( ser portadora de algum mistério torna-nos menos mundanas e imperfeitas )
- Gosto da forma como pensas ( também eu querido, também eu  )
- Es boa comunicadora  ( exceto quando tentas falar para mim , ai já não te percebo )
- Vais ser muito bem sucedida, Vais voar alto ( e para bem longe, foi isso que quiseste dizer ?!)
- Isto da dieta integralmente vegetariana não é para ti ( custa admitir mas estava certo )
- Perturbas-me ( hoje em dia já não sei se considero isto um elogio )
- És diferente ( isto também se vira muito facilmente contra ti , epá diferente mas só até certo limite senão deixas de ser adequada para o que  eu procuro )
- És capaz de tudo ( menos fazer-te amar-me da forma que mereço ? )

Se eles foram capazes de ver , porque não serás tu ?
Eu tive que aprender a tornar-me menos introspectiva e profunda e encontrar no básico,
a superfície rasa para justificar e pacificar certos assuntos.
Quando estes começam a interferir com uma saudável manutenção do teu cérebro e deixas de ver a realidade de quem és a frente do espelho , sabes que estás em grandes problemas.
É altura de estabelecer uma relação mas contigo própria.
E sinceramente... antes fugia deste horrendo conceito , mas se por uma questão de sobrevivência assim for, reduz , reduz, reduz.
Reduz tudo o que foram , tudo o que achas que ainda são.
Estão a teu lado?
Demonstram interesse , preocupação  ou iniciativa ?
Respondem te as mensagens , aos telefonemas, aos emails?
Já estão casados e com o seguro de vida feito ? E ainda queres migalhas?
Acabas a adormecer a chorar as mesmas lágrimas de há não sei quantos meses atrás?
Continuas a espera que se arrependam, que se tornem humildes ou se responsabilizem pela sua parte  ?
Dão te as mesmas tangas, as mesmas desculpas e falta delas?
Queres mantê -los na tua vida á força nem que seja como "amigos"imaginários ?

A lista poderia continuar ,

E tu ainda estás achar que são o quê mesmo ?

Senão uma grande lição de amor próprio ou a tua desculpa preferida para te auto destruíres.

Levanta o rabo, calça os sapatos e vai dançar.

Ninguem o pode fazer por ti,
nem o parceiro dos teus sonhos.
Deixa -o lá,
na La La Land.

P.s - Isto é tudo válido para Homens tambem
mas têm que ser mesmo HOMENS.
;)

Sarah Moustafa





" "




Se as horas passam e nada acontece,
O tempo urge,
será tudo 1 teste ?
A paciência é pavio que estende,
e não encurta.
A vida se calhar ainda não vai a meio,
ou já está perto do fim.
Não a sabemos aproveitar ?
Ou não dá para dela desfrutar,
porque ainda falta "aquilo" ?
A peça fundamental ,
E se esta acaba derrubada?
Check mate , Check mate , Check mate .
O jogo já não vale a pena,
as cartas estão gastas,
ou talvez nunca tenhas tido perfil
para compreender as regras essenciais,
E teres uma chance de ganhar ,
o que  no reverso da moeda,
de inicio já estava perdido .
Levantas-te da mesa.
Merry Go Round.
Usas o relógio no pulso,
fica sempre bem.
Não lhe dês excessiva importância,
mas não te esqueças
que os ponteiros levam-te com ele.
Entre vírgulas e parêntesis
nunca sabes quando
o ponto é mesmo final.
E de repente ,
a tinta acaba  ,
E o papel fica  sem qualquer
propósito ou sentido.

Então ... tenta sempre a tua "Sorte".´,
porque o "Azar" é garantido.







Sarah Moustafa


sexta-feira, 15 de setembro de 2017

...


Quando a paixão assolapada
te envenena,
e te rouba a força vital,
e te atira ao quinto dos infernos.
e o formato de um sorriso,
ou o estranho cheiro,
de quem passa
e deixa o rastro
do seu perfume lunar,
por anos e anos,
Tornando a dança
dos teus fantasmas vívidos, 
Deixa estar.
Quando estás
sem cabeça,
sem tempo,
sem espaço ,
para te recuperares,
porque não sabes como,
ou o que te falta exatamente,
o que te roubaram ?
O que te levaram,
do âmago ?
quando nada volta ao sitio,
quando todos os lugares no mundo,
se tornam pequenos
e todos os outros interesses
desporpocionais,
Deixa estar.
quando o teu coração sangra,
despercebido no dia a dia
ocupado e veloz,
cheio de vazios e distrações,
e a voz falha,
e o corpo paga.
Deita -te ,
vê o tecto desabar,
ou o chão fugir,
o tempo a passar,
Deixa estar.
Adormece ao som
do crepitar da mesma lareira,
que te matou .
Das cinzas,
algo sempre se renova,
o choro da fénix,
dizem cura o impossivel,
dá vida á morte.
Deixa estar.

Porque só vale a pena
em vida ou morte, 
apaixonares -te,
se tiver sido assim.

Letal .



Sarah Moustafa 



quinta-feira, 14 de setembro de 2017

!




A parte boa disto tudo é que existe sempre alguma forma de lucrar através dos retardados, traidores, desertores, trastes , malabaristas, cobardolas e tristes palhacinhos que nos passam pela vida
e temporariamente nos deixam K.O.
Sim , não parece, mas é temporário .
E quanto mais foco existir nos rendimentos que a nossa miséria pessoal, pode trazer ,melhor flui um peculiar processo de cura.
Escrever até a exaustão sobre o assunto , cantar a mesma música até a rouquidão, dar corpo ao manifesto e cara á situação, sem vergonha nenhuma.
Chorar baba e ranho , permitires -te ser criancinha  birrenta, chata, carente , vulnerável , admitires que estás na merda e que nada te ajuda a sentir melhor, afastares te de pessoas pseudo espirituais e de conselhos como " vai passar " " ele /ela não te merece " "estás melhor assim " " ela/ele é que perde " "esta dinâmica é tóxica " " não dês mais energia ao assunto " " cala aí o coração só um bocadinho "
" é tudo uma ilusão " " tens de desapegar " " ama-te a ti própria "  etc... e podia ficar aqui o dia todo.
Como se tu própria não tivesses já considerado todos esses pontos e dado voltas e voltas e voltas á situação, como quem tenta montar um cubo de rubik pela milésima vez.
Vais estar sentada /sentadinho muito tempo no escuro .
Até descobrires que alguns "clichês " até têm alguma validade , quando começas a tirar as vendas do medo e consegues ver as estrelas a iluminarem o caminho da trampa onde estás .
Continua a cheirar mal mas uma centelha ressurge.
Afinal o Eclipse não é total .
E descobres a receita improvável do que para ti será o caminho do progresso.
Vais ser mal interpretado/a , e poucos serão os que conseguem entender o fundo , a origem  , onde encaixas os alicerces do exuberante Império que a partir da dor, do luto, da solidão podes criar.
Fama , fé ou fortuna., são receitas infalíveis .
Uma destas três alcançarás .
Não dá para esperar por milagres , vai atrás deles .
Usa o/a idiota que te deixou num farrapo a teu favor.
Afinal Kurt Cobain agradecia a tragédia, pois ela é necessária para a criação de arte.
Ou a teimosa da Adele que insiste em usar o mesmo Ex nas suas melodias , e como lhe compensou .
Lucro , Muito Lucro.
Minas de Ouro.
Porque por esta altura , tu já deves entender que o completamente  desalinhado/a , perdido , é apenas outro traço continuo na longa estrada á tua frente.
E que riqueza é fruto da sementeira interior, e da verdade irreverente que destila do teu coração todo desconcertado . 
Repara podes não ultrapassar, mas os olhos coloca-os para a frente.
E levas o melhor dos dois mundos, até assim quereres e precisares.

So,
Keep it coming Bastards .


Sarah Moustafa 


quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Ponto Final .


O passado é passado .
Finito.
1 pedaço de papel rasgado .
Flutuante ,
mero nada,
aterra aos meus pés.
Podia guarda-lo
dentro de uma página,
continuar a mima -lo,
Fazer de mero pedaço,
O universo.

mas..
Já escrevi demasiado.
Vou pisa-lo ,
desfazê-lo
com o salto agulha,
mais requintado.


Não me dês mais palavras.
Acabou.
Estás morto,
enterrado.





Sarah Moustafa




quinta-feira, 7 de setembro de 2017




EX




Suponho,
que no fim tudo termine no mesmo.
Um Ex que se torna em todos os teus poemas,
todos os clichês que passas uma vida
a tentar fugir de, antes que te apanhe
e te torne em mais um,
do rebanho dos que não tiveram sorte nenhuma,
e seguram-se ás lamechices que podem ,
aos vícios que o corpo , e os outros, pagam
a doença de fácil contágio ,
até que acabe ,
tudo no mesmo,
Um Ex ,
milhares de poemas em vão,
desperdício de tempo ,
e lá acaba ele
arrumado numa gaveta.

E vamos passar para o próximo.

P.s - Vai me dar trabalho,
estas mudanças.
é uma casa muito grande,
e um coração com tralha a mais .









quarta-feira, 6 de setembro de 2017

Vai...





Não carregues em ti,
a culpa,
a noite ,
afunda-se no teu peito
não estás preparado,
eu sei,

e eu não consigo sentir-te,
assim

então
eu abro mão de ti,
por completo.

 Faz o que precisas de fazer,
mas
Não te sintas culpado.

Vai.
Eu páro.

Estás perdoado.

Agora sim,
                   eu deixo-te ir.




Sarah Moustafa

Arritmias #52


Somos sempre a mesma coisa,
uma explosiva caixinha de surpresas,

que nos rebenta o coração,

Não paramos de nos armadilhar,

somos

(...)

O que vai acabar por nos matar.






terça-feira, 5 de setembro de 2017

Block.



És tanto o meu inimigo,
como fã numero 1.
A verdade é
preciso da ameaça
dos teus olhos,
em cima de tudo o que faço.
As tuas mãos
na extensão de tudo o que sou,
A tua voz bem alta
e enfurecida,
esmagando o valor
das minhas conversas
disparatadas.
Repara como a tua raiva,
se alia á minha paixão?
e de forma bem improvável,
traz uma pequena
prova,
de magia.

P.s - block?
Não me faças crer
que ainda não sentiste.
Mas vá,
apaga-me lá.







segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Arritmias #51





TU

...

Escreves com a minha mão.




Sarah Moustafa

Zombies



Não é que tu não saibas
como aqui chegar ,
afinal,
enquanto fazias de mim gato-sapato,
construiste um túnel secreto,
acesso ao mais escuro e precioso,
recanto da minha essência.
algo que só a tua deliciosa perversão,
poderia criar.
Parabéns, amor.
Deixa-te doente ?
Trancares-me,
e agora não saberes de mim ?
O teu plano falhou?
Consegui fugir,
E sentires o que é
estar  realmente sozinho,
quando nem
a tua outra metade
tão garantida
te quer ver mais?
Estás em agonia,
no caos
da tua própria criação?

Grita por mim,
um bocadinho mais.

 Eu passei um ano sem voz,
e...
sobrevivi.

Todos os dias uma quase morte,
que de nós , renasce.
e nos condena,
olho por olho
dente por dente ?

é preciso,
coragem para ficar calado,
eu sei,
e no entretanto ir ficando sem ar.

Mas tu consegues,
és tão...
bem comportado .



























Sarah Moustafa

sábado, 2 de setembro de 2017

Arritmias #50




O teu caminho desenha-se nas minhas mãos,
Alteras a minha linha de vida,
Fazes-me pensar ,
no pior que alguém pode imaginar.
Quão escuros são os teus pensamentos,
esta noite ?


Deixa-me advinhar...

O Diabo volta a espreitar.









Sarah Moustafa

Sweets.





Qual a coisa
Qual é ela
que todos os dias
dá cabo de ti?

Que sabor é este?

Desabrochar
de deliciosas primaveras,
fértil néctar dos deuses.

Era tão doce,
não era?

hum...

Qual a coisa
qual é ela
que darias tanto
para voltares
a tragar?

 Maracujá ?



foste envenenado .
Foi sem querer.

: )




























Sarah Moustafa

quinta-feira, 31 de agosto de 2017

Arritmias #49




Aquele vestido,
foi a prova de mim
que te deixei.
Embora
cheio de nódoas tuas,
era meu,
só meu,
para ti.

E tu deitaste-o fora.
" Doaste-o"

Como tudo o que te tentei dar,
coração,
alma,
palavras.

Tudo no Lixo.




Sarah Moustafa



 

quarta-feira, 30 de agosto de 2017

Despedidas.



caixas,
caixotes ,
gavetas desarrumadas,
pontas soltas,
reticências malvadas.

Sei que tu não consegues,
então faço eu a a vênia
ao teu orgulho.

Livros,
páginas manchadas,
rascunhos
e mais rascunhos,
cartas extraviadas.

A tua mão a descrever-me ,
enquanto percorre a minha pele,
1 milhão de copos bebidos,
música em repeat ,
as mesmas pessoas,
todos os dias
ausentes da mesma magia.

Um acesso de raiva,
quero estrangular-te,
Sai daqui,
Respeita o meu espaço,
Deixa-me ser feliz.

Queda livre,
Um pedido de ajuda
a tua voz constantemente
nos meus ouvidos,
O que é que me fizeste?
O que é que me fizeste ?
Um poema
que não sabe mentir.

Uma surpresa a tua porta,
e ainda assim não estás lá.
Um tabuleiro de xadrez,
que nenhum
pode ganhar .

A maior fome,
A maior vontade,
A mais fantástica,
Calamidade,


Foi um prazer conhecer-te.
Homem da minha vida.







 Sarah Moustafa

terça-feira, 29 de agosto de 2017

Arritmias #48





Podes ferir-me com a espada das tuas palavras ,

a vontade


Porque,


Eu dispo-te todo , com as Minhas.







Sarah Moustafa

És de Plutão e eu da Lua




leva a bicicleta,
mea culpa.
mea culpa.
mea culpa.

Tornei-me na Maléfica.

?Eu desapareci ?!
 não tomei conta de ti,

Ta .

e tu desististe,
deste mão ao medo,
e traíste o que sentiste.

Que bela , cega
mula teimosa  ,
me saíste.

e eu ainda
gosto de ti,
assim.

E tu tambem,
que chatice
não é?








domingo, 27 de agosto de 2017

Não há cura.





não existe analgésico,
estupefaciente,
distração,
hobbie,
homem, 
que adormeça a terrível
força demolidora
tua presença em mim .

Dói não dói ?

Tanto. 

Mas ainda assim,

débil ao tutano,

não

mudaria nada.


Aqui ou em outro qualquer lugar deste mundo.

(Talvez seja isto que não entendas.)


Amo-te.







Sarah Moustafa

Sete Vidas




Meu amor,
se te queres despedir de mim,

fá-lo de forma digna ,

com corpo,
forma e vontade.

deixa-me a hiperventilar,
cheia de água na boca ,

atira-me ao mar das tuas provocações,

mas garante que eu não volto,

Eu aprendi a sobreviver,

com distinção

no oceano das tuas tempestades.


será que as minhas sete vidas ,

estão acabar ?

 : )





Sarah Moustafa

sábado, 26 de agosto de 2017

Todos os dias



Desde que escrevo sobre nós
sem parar,
todo o formato dos meus
dias mudaram.

sinto-me um pouco envergonhada de confessar,

que somos o meu único interesse,
a mais tamanha ambição,
e talvez por querer tanto
ou tão pouco...

os dias revoltam-se ,
e pararam.
O calendário é lento a riscar-se,
e a sina a cumprir-se .

É um fardo e uma necessidade tamanha ,

segurar-nos .

Eu sei, isto não é vida para ninguém.

Ainda bem que pelo menos ,
sobrevivem palavras...
e uma eternidade
de coisas que tenho para dizer !

Ainda bem que ,
resta algo ,
intocado
que ainda posso chamar
de nosso.

Inteiro nas minhas mãos.




Sarah Moustafa

sexta-feira, 25 de agosto de 2017

Ignorantes



Só depois do nosso encontro ,
descobrimos a fundura
e o significado de algumas
palavras.

Como apunhalamento
e saudade.

Agradecemos o ensinamento ,
mas suplicamos todos os dias

Quero voltar a ser ignorante !

Não podemos fazer isto a mais ninguém,
Olha para nós...

podem não sobreviver.






                                                                  Sarah Moustafa

quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Fases da Lua




A Lua está em Balança ,
Ou Libra, pequena
indecisa , minha moradia .
e eu prossigo deslumbrante ,
acrobata nos véus
que nos prendem ao mesmo mistério.
Um do outro,
Um sem o outro,
Um com o outro .
Mantendo o tênue equilíbrio,
que a Justiça Divina,
atrasa .
Enquanto ela não chega,
é simples,
evitamos todos os espelhos.

E nenhum Dança.





Sarah Moustafa



Quase.




Consigo perceber
que já me tentaste responder,
mas que irias tu dizer?
vejo como as tuas mãos agarraram o telefone,
sabes que agora sou bruxa ?
e o ímpeto de me ofender ou acusar ,
ou magoar com a língua afiada
das tuas palavras de gelo ,
foi tão forte que deves ter precisado
de recorrer algum auxilio de urgência,
se é que me entendes 
para te impedir de tal gesto.
ouvir a minha voz,
poderia derreter as fachadas e ilusões
de que te rodeaste,
ou despertar o espirito,
que tingiste no dia que me deixaste.
Afinal tu,
quase me amaste,
quase descobriste a luz ,
quase foste tu mesmo ,
quase me superaste,

quase me telefonaste  ...

Mas entre seres um Homem ou um rato...

" o algodão não engana ."

é muito chato ,

Nunca chegas ao fim com nada .






Sarah Moustafa

quarta-feira, 23 de agosto de 2017

P.S



Cada poema, 

         é uma migalha,


                                            797


  Não te distraias.

                                             Segue-as.

Aquiles.



dá-me  "A ideia "
diz-me, como me desenvencilhar desta corda
Vá lá... nunca te peço nada,
que amarra o espírito e inibe o alcance
ao Olimpo,
onde um trono me aguarda,
e eu prometo...
que te recebo,
em que estado maltrapilha estiveres,
e cuido de ti, até descobrires
que és a minha única fraqueza,
e surpreso questionares
a minha demência,
sabendo que me vais destruir
novamente,
eu sei que é demasiado tentador,
e eu acarinho-te
e coloco tudo em risco,
porque tal como Aquiles
só vale pena cair,
quando no mais alto estado,
de glória ,
e o  calcanhar que beijas,
tira me a vida,
mas dá-lhe significado .

O que é mais importante ?


Sarah Moustafa

A Fera.



a tua beleza,
não é tua.
sem mim,
os teus traços
tornam-se nos grotescos
uivos de um ego infernal
castigo em chamas,
pobreza de espírito
fonte seca,
o que és tu ?
sem a água,
o alimento ,
as pernas
o abraço
os olhos
de quem te transformou
na mais bela
prova ,
da absolvição
de Deus,
a força que impera,
num simples
acto de amor ?
Onde estás?
preciso de cuidar- te,
essa carapaça de monstro,
defesa de quem se ausenta,
não é para ti .

Porque escolhes existir sem mim ?

Sou tão Bela.



Sarah Moustafa


segunda-feira, 21 de agosto de 2017

A mesma hora, no mesmo Lugar





é bom voltar a escrever-te
como um búzio encostado ao meu ouvido,
entoando a música da minha maior fantasia ,
estás mesmo ai ?
é esta a tua voz embriagada,
que num grito atrapalhado
me chama ,
 anda cá ! ?
Preciso de ti !

é bom voltar a ler - me.
desiludir-me,
sem nunca me desapaixonar.

 devíamos conversar sobre isto ,

encontramo-nos,
á mesma longa hora ?
Aqui ?

Na corrente do Diabo,
toca do nosso favorito
pecado .




Sarah Moustafa

domingo, 20 de agosto de 2017

quem é quem .





a tua fotografia,
um puzzle
espelhado
das minhas dúvidas
existenciais
Who the fuck are you?
Dizem que és bondoso ,
refuto que não podes ser,
 de maneira alguma.
Excepto ,
Talvez,
quando os teus olhos estranhos
estáticos,
caem sobre a imensidão dos meus ,
e as muralhas trespassam-se ,
e um portal abre-se ,
ao tamanho da maior verdade,
universal,
como um beijo tresloucado,
de que tento fugir,
Até me capturar
não sei bem em que tempo,
ou espaço.
E de repente,
 fico com esta dúvida cruel,
silenciada.

You're the same as me.


Sarah Moustafa

quarta-feira, 16 de agosto de 2017

Apagador



Queria que o tempo nos apagasse ,
e trouxesse o futuro,
nas mãos que desconhece.
Ele viria mudar as horas
e sacrificar os minutos,
abdicar de todos os segundos ,
que a nossa ausência oferece.
Ele viria salvar-nos,
de
Todo um vazio que ainda nos preenche.




Sarah Moustafa



quinta-feira, 13 de julho de 2017

Momentos a sós



releio-me nas páginas do tempo,
amparo me nas memórias,
que a lua esconde,
nas mais cerrada das noites.
perco-me nas misteriosas formas
que as nuvens me revelam.
Contam-me uma história qualquer,
sobre os acasos dos desencontros,
o sentido de tantos corações partidos ,
as almas penadas que vagueiam
como eu,
numa noite qualquer.
lembrando os olhos de um romance
com um final triste.
e uma lágrima rebelde
cai e mancha o meu vestido ,
espero pelo nascer do sol,
e a perfeita ilusão de que não está lá
mais uma gota ,
menos uma pétala ,
de uma flor tão bonita
e
incompleta .


domingo, 18 de junho de 2017

Fazer malas



São grandiosas as descobertas
que o mundo novo me traz
Preparo-me para ele.
Ainda não sei como partir,
Carregada desta bagagem a que chamei amor .
Mas preparo-me...
Compro tudo que me mude
e ao mesmo tempo devolva a quem fui ,
Tenho medo dos novos olhos que me irão adorar .
Mas é esta a tela em branco ,
terra prometida ,
um vislumbre ,
através do véu
que me resta.

O mundo dá voltas e deixei me ser globo nas tuas mãos.

Mas não me acompanhaste na viagem ,
E um globo não tem propósito parado.





Sarah Moustafa

quinta-feira, 15 de junho de 2017

SOS




O mar e as suas ondulantes promessas,
envolvendo-me nas idas e voltas ,
Maré cheia, Maré vazia
ajuda.
A lágrima salgada cai do milagres da existência
beija-me o lábio, e com a ponta da língua
guardo-a para dentro
ajuda.
A música ...teclas do mais melodioso piano,
abrem portas seladas nos cantos mais obscuros
do meu coração ,
ajuda .
Sou um diário ou uma mulher?
Capaz ou necessitada?
As memórias são a única impressão digital.
que nos deixo.
Uma tela de cinema que nunca pára
se estrear ,
deixo a vida escolher o fim.
Mas seguro-me ao inicio.
Ajuda.
Escrevo outra carta ,
e ás vezes faltam palavras
ficam as letras sem sentido
Arranjadas sem nexo,
Senão aquele de me libertar.
Quem diria que dói tanto
escrever como não o fazer ?
Aí .
Nada ...Nada,
Ajuda.





Sarah Moustafa


terça-feira, 13 de junho de 2017

A menina não dança ?




Houve o tempo ,
dos teus olhos pregados aos meus ,
um longo e delicioso dialogo 
no mais inocente silêncio.
E eu era uma menina linda,
e rodopiava no eixo das minhas 
coloridas saias
e acreditava que a perfeição
estava ali.
Na minha dança
E no Homem que me olhava .
E que me quereria continuar a olhar ...
ainda que andássemos sempre a roda 
e tropeçássemos nos pés um do outro ,
Até o fim do tempo
Onde já não existiriam olhos
e eu perdoaria já não estarem ,
Declamaria a mais bela poesia
e falaria de ti
e como eles nunca se desviaram ,
como nunca hesitaram .
Mas a menina já não dança,
cresce demasiado devagar ,
fechada dentro de uma ampulheta
que lhe trocou todas as voltas.

Agora não se sabe vestir,
e os pés permanecem ancorados em terra.

A realidade é essa.




Sarah Moustafa






sábado, 10 de junho de 2017

Arritmias #47



Dever ser mesmo chato.
Procurar-me 
incessantemente
em todos 
(...)
os lugares
e todos serem os errados.
não desafogares
a fome da alma 
Planta carnívora , 
devoradora ,
espanta - espiritos
hum...
gula dos píncaros.

Deve ser mesmo chato ,

escolheres entre a lei seca e a sopa dos pobres.









Sarah Moustafa

sexta-feira, 9 de junho de 2017

Opostos.





Esta noite a lua está cheia.
Tão cheia como nós.
Abarrotados da falta
 e da necessidade
do que não compreendemos .

Esta noite ilumina-se
 o encontro,unimos as peças
encaixamos um no outro
ligamos a vida e a morte .

Somos atirados
ao mais visceral
e velado núcleo,

E a profecia se cumprirá .
O Yin do seu Yang.

O equilíbrio será reposto .








Sarah Moustafa

Fases da Lua #9




Dizem que ainda dou colo a tantos sonhos de menina.
Como se alguma forma eles permanecessem intocados, apesar de tudo o que me aconteceu.
Como se o oceano de lágrimas chorado tivesse criado um lago encantado ,
onde os papéis nunca se desfazem e os cisnes tão brancos deslizam vaidosos,
com a beleza e graça que retiram da minha éterea forma .
E os meus dedos escorregam nas águas que verti, querendo dançar em círculos, cada palavra
desenha, um eco entre o que foi, o que é e o que será .
Uma mensagem doce , suave ... algodão feito de nuvens, tecido que cai aos meus pés .
Os anjos querem-me vestir.
E de tantos sonhos foste aquele que de mais perto se chegou.
Olho para ti nesta água que transborda , meio distorcido... ainda tão sorridente , tão bonito para mim...
E deixo que a corrente da memória te guarde assim.
Podemos conversar aqui , numa qualquer noite próxima de um Sonho de Verão , e enamorarmo-nos,
como se fossemos os primeiros a descobrir o enlace romântico e o íman que atrai dois corpos.
E depois quando acordo para a realidade , aceito que não és e não estás.
Mas levo-te com a ternura toda como se fosses , como se estivesses.

Porque eu escolho o amor.




quinta-feira, 8 de junho de 2017

Arritmias #46



De verdade,
Ainda nos vemos todos os dias.
Na rotina,
em frente a este espelho.
Quando tiramos a maquilhagem .

E a pele de frente ao reflexo
do seu avesso.
verdade & mentira

enfim respira .








































Sarah Moustafa

Error .




És um mundo que se expande
no poder das minhas mãos.
Talvez me ensines
sobre o que sempre deveria ter sido .
Mas adormeceste nas minhas palmas ,
e o mesmo vislumbre de grandiosidade ,
desapareceu ,como um feitiço que acaba á meia-noite,
e fizeste-me sentir tão pequena ,
tão inútil e mais uma da raça comum.
E agora recuperar os estilhaços de luz ,
que te entreguei,
parece missão impossível .
Como se tudo em mim se segurasse
na chama do teu interesse ,
Deve ser coisa de Balanças
E quando cerraste as pálpebras ,
eu em pânico tentei reanimar-te
e não os voltaste abrir , esses olhos que ...
A noite escura da alma veio no teu lugar,
querendo-me instruir nos mistérios da vida.
Excepto o teu.
O teu ...
Nem o Universo sabe justificar o que aconteceu .
Se calhar foi um daqueles erros de sistema,
E fomos apanhados no meio de um "sem querer " ,
não era suposto....
não podia ser .
Mas foi .
As minhas mãos são berço
da nossa tragédia .

Olha para mim




Sarah Moustafa



quarta-feira, 7 de junho de 2017

anormal .



não sei de que melodia
 se fazem as canções de amor
mas sinto -a ,
invade sem licença a minha garganta
e de repente quero dar-lhe voz,
fujam.
Eu desafino, e o rouxinol não me convida
á graciosidade das manhãs
Mas canto,
invento mais uns poemas ,
costurados de memórias e imaginação
Encolho os ombros
e já estou a filosofar ,
Sobre o sentido e propósito ,
das coisas, porque me apetece
e sabe bem apetecer algo,
quando me sinto esfomeada
 não sei bem há quantos anos.
Afinal os meus olhos sempre se esbugalharam ,
de medos e porquês ,
peças incompletas e ferramentas inúteis ,
mas ainda assim ,
aqui me disponho ,
fabulosa
nos braços da anormalidade
tenho um coração doidivanas
e este eterno quebra cabeças
que não sei resolver.
Submissa apenas aos meus próprios pés ,
e eles caminham de passos trocados
seja como for,
e lá vou assobiar ,
de encontro á descoberta
diária de como viver
em verdade ,
eu e a minha música.
eu a minha música.
eu a minha música.

sempre a canta-la sozinha ...






                                                                    Sarah Moustafa


segunda-feira, 5 de junho de 2017

Arritmias #45



Desfolha-me com cuidado , como se eu fosse a página mais
frágil e preciosa da tua história.
E depois não te acanhes.

Lê- me de voz bem alta  ,

dá-nos vida. (ou cabo dela...)

Vamos fazer um filho, escrever um livro  ou outra coisa qualquer .

Vamos...





Sarah Moustafa

Sinais .



Naquele dia o céu tinha uma cor estranha , como se o hábito de te procurar de uma forma absoluta , pudesse mudar o toque de Deus.
E pudéssemos nós , meros mortais , pintar a tela das nossas vidas da forma como o tempo nos quis ensinar . 
Complexas ramificações são estas de uma arte emaranhada , cordas em que dançam as almas dos malditos , que já desfeitos em pó ... ainda sobrevivem na procura desenfreada por um amor diferente . Um amor tão maior... que mude sim a cor dos céus e toda a órbita da Terra .
Um amor que seja todo ele um cataclismo imperdoável .
Estávamos tão absortos na imensidão , que tal prenuncio nos passou ao lado . 
Devíamos ter olhado para cima ...





domingo, 4 de junho de 2017

Como uma praga ou um milagre.



Ambiciono que todos
se questionem ,
Quem és tu ,
e o que raio fizeste comigo,
para me levares a este ponto
de florescimento tão improvável ,
Quero que tenhas dúvidas se és tu ,
se escrevo mesmo sobre ti ,
ou outro alguém ,
E que fiques doido
por tal receio existir ,
Quero distribuir por todos os cantos,
a mensagem onde está a tua essência ,
e montar o puzzle do teu rosto
e que sintas que não tens paz
ou privacidade ,
e que te revoltes porque ainda
te consigo impressionar,
porque não envelheço
e também não deixo
que o tempo te leve .
Estarei tão longe ,
ainda a assombrar os teus sonhos
com a verdade da paixão
mais honesta ,
que alguma vez encontrarás.
de dentro para fora,
sobrevivente de guerra,
vou envergonhar
todas as histórias de amor,
que antecedem a nossa ,
e o Mundo inteiro
meu querido ,
falará de nós.






Sarah Moustafa 





sábado, 3 de junho de 2017

Arritmias #44



Como é possível,
ter tantos super-poderes  ,
Sacerdotisa ,
escondida nas mais simples vestes...
E nenhum deles ,
ser o certo para chegar e preencher-te
trespassar as muralhas,
fundir as almas, as peles
Ou ter efeito de encantamento irresistível ,
como aqui deixaste , milhares de feitiços
a respirarem em mim ,

Porque sou tanto mas não o suficiente ?





Sarah Moustafa

sexta-feira, 2 de junho de 2017

Odisseia



Promete que quando voltares ,
vamos viajar
De Norte a Sul ,
Passar por todos os Continentes,
Desfrutar de todas as ilhas ,
Navegar todos os mares
Que não deixaremos nenhum espaço
sem marca ou por explorar
Que nos vamos perder,
só para para nos encontrarmos no mundo ,
outra vez,
Promete ,
Que não existirão fronteiras ,
nem impossibilidades.
Que cumpriremos tantos desejos,
da nossa bucket list,
enquanto existir ar para respirar,
chão para caminhar
e fogo para acreditar !
Promete que nem a morte
pode mudar o trajecto desta aventura,
Que viajaremos sempre juntos
senão em Terra de volta ao Éter.
Promete.
Que ainda temos Vida.





Sarah Moustafa

Embrulho



Sou um problema com pernas.
Complicadinha.
Uma insónia permanente ,
Sabor a sede ,
Sal na tua pele ressequida,
cinzas que se desfazem na tua boca,
Licor que destrói as tuas
cordas vocais.
O perfume que intoxica ,
O prenuncio da calma
que antecede a tempestade.
O meu nome
E a roleta russa ,
cabeça , coração
A beira do precipício ,
A mancha na tua alma,
O teu Karma ,
A tua Cruz
A bofetada quando
procuras por um beijo.
Serpente que desliza
pelo teu corpo
E se te envenena ,
Ou Cura,
Vai depender do dia ,
As vezes pecado,
As vezes benção .
Sempre um pouco dos dois.
E de pensar,
Que no meio de tanta mulher,
Estendes me e vasculhas ,
Aprecias
Um caso de estudo ,
sempre incompleto
Desembrulhas -me só para descobrir
Um novo presente no fundo da caixa
Camada atrás de Camada.

Confessa,

Sou tanto as pernas como o teu problema,

Favorito .






Sarah Moustafa 

quinta-feira, 1 de junho de 2017

Perdão .



Lamento tudo
o que aconteceu connosco,
sem me arrepender de nada.
Lamento os desencontros,
os mal entendidos ,
todas e quaisquer mentiras .
Lamento as ausências,
as intermitências,
as indecisões ,
a dependência absurda de ti ,
e o que sem licença despertei .
O que nos tornamos ?
Lamento as fugas ,
as guerrilhas sem fim ,
Lamento as feridas que abrimos.
Os dias longos de Inverno ,
A cama vazia
As reticências, O silêncio
As projecções
As trocas e substituições.
Lamento ,
que não alcances
que não entregues
que não ajudes
que não queiras
Lamento que não me suportes,
Os meus poemas lamechas ,
As saudades engolidas
Tão fundas e indecentes ,
sem meio de serem devolvidas
Lamento que me odeies tanto,
por tanto gostar de ti.
Entendo .
Lamento por nós os dois.
Perdoo.
Sem prova ou razão
Entre a ponte da minha e tua verdade.
Talvez um dia,
Elas se encontrem,
Por aí perdidas ,
Crianças soltas
De corações gigantes,
Tão leves
Nos braços onde
qualquer coisa se cura.
E percebam que nada lá atrás importa,
quando ainda tem o agora.
Enquanto há vida há tempo,
E Cronos é nosso Pai.
E o tempo é tudo que nos resta .

P.s - Qualquer dia, Qualquer hora .
Hoje, Amanhã... Sempre .




Sarah Moustafa



quarta-feira, 31 de maio de 2017

?


Não percebo porque continuas,
apertar-me as mãos,
quando pensas que já estou a dormir ,
Ardiloso
Como quem ainda tem medo de me perder.
E ficar só no remoinho destas emoções ,
Achas que não te vejo no escuro?
Escondido por trás dos arbustos ,
Fantasma que atravessa as minhas paredes...
E percorre os meus braços 
com os seus dedos imperceptíveis ,
E alça da minha camisa de cetim,
cai da mesma maneira
como sempre a fizeste cair,
como uma pluma tão delicada
caricia fervorosa no meu ombro ,
descortinando ,
a subtil certeza de ti.
Não percebo porque te denuncias,
Mas não te revelas,
Porque não ficas de todo ,
nem vais embora 
por completo.
Porque não  consegues viver
comigo,
nem sem mim.
Enlouqueces,
e trazes-me o delírio
do mundo que criamos .
Como é que eu saio daqui ,
Como é que tu conseguiste sair?
Deixar-me ?

Mostra-me.





Sarah Moustafa

Arritmias #43




Sou o nó mais apertado da gravata que não precisas de usar.
A corda à volta do teu pescoço ,
Comandada pelas palavras que aprisionas .
Retrato fiel , enigma do Dependurado
Camisa de forças , Paralisia dos sentidos
Entrega , Sacrificio, Suspensão...
Queres respirar ,
Não tens nada para me dizer ...
Certo .

Boa Viagem ?




Sarah Moustafa

terça-feira, 30 de maio de 2017

(...)


Eu queria passar os dias dentro dos teus beijos,
e refujiar-me na tua vontade.
Eu queria poder levar-te sempre nas mãos ,
tão seguro como livre,
queria que me sentisses casa ,
Queria sentir-me capaz.
Eu queria esperar pelo teu regresso,
como se os anos não passassem por mim,
e o cansaço e a solidão,
não me roubassem a esperança,
de que isto não poderia terminar assim.
Queria ser as reticências das tuas certezas,
todas as paginas de livros que lês ,
E fazer da tua discórdia a minha paz.
Eu queria rir-me ás gargalhas ,
com a inocência da criança que nunca fui,
E deixar-te chorar agarrado ao meu ventre,
á procura do colo de mãe .
Queria ser a música que se ouve bem alta
E o fundo da garrafa mais cara,
Queria ser a tua estrela , a tua sorte,
a tua sina.
Eu queria ser a eterna novidade ,
o encanto que não desvanece.
O desassossego da tua alma,
e fazer tudo que existe para fazer neste mundo contigo.

Eu queria o impossível .







Sarah Moustafa

segunda-feira, 29 de maio de 2017

Fases da Lua #8



Palavras , leva- as o mar .
Porque tudo o que escrevo é água . 
E para me leres os teus olhos têm que estar bem fechados . 
E o teu peito predisposto a rasgar se ao meio , para poder infiltrar- me e mostrar-te gota a gota o significado desta carta escrita com tinta invisível .
Quero saber se és o prometido de que me falaram os Orixás . 
E se fores saberás calar a dúvida e mergulhar tão fundo quanto o necessário para me encontrares e descobrires o tesouro que guardo todos os dias para ti .
 A infinitude de poemas incrustados de todas as pedras preciosas que ainda nenhum comum mortal encontrou .
Porque ainda não me sentiu.




sábado, 27 de maio de 2017

Arritmias #42





Deixa-me contar-te, também,
Sobre os dias felizes
Em que danço para ti ,
e cada véu ondeante
 revela 
Uma inédita faceta de mulher
Que se exibe ,
Intocada
Apenas audiência dos teus olhos.







Sarah Moustafa

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Quem tem medo do lobo mau ?




Não tens medo de mim,
tens medo
do que não consegues fazer de ti ,
tendo-me por perto.
Como uma traça
encantada 
pela luz que a perturba ,
e convida deliberadamente para a morte. 
É por isso,
que não me queres ver.
tens medo ,
Do reflexo 
das possibilidades
que excluíste do cardápio,
quando ainda estavas de barriga cheia.
E admitir que gostavas de tê-las
outravez.
Não te ensinei nada?
Plutão e o desmame 
não se dão nada bem.
Não tenho medo de ti.
ou de te enfrentar,
tenho receio
de me reconhecer
na perturbação dos teus olhos
e ver o meu próprio castigo .
Aqui não há inocentes.
Já é demasiado tarde,
para arrastar os grilhões
da culpa.
Vamos resolver isto .
É preciso ir ler
A Arte da Guerra?

P.s - Pussy.




Sarah Moustafa



quarta-feira, 24 de maio de 2017

Passos



Fico só de braços abertos,
joelhos caídos
na areia do tempo ,
com que ainda brincas.
Procuro pela força,
á beira-mar ,
onde as ondas me beijam
os pés e tentam levar ,
para onde estás.
Não sei encontrar-te,
apanho concha a concha ,
duvida a duvida,
entrego-me ao que não sei.
E com uma bússola
sem orientação ,
vou voltar a todos ´
os sítios ,
onde deixamos
o rastro perfumado,
das nossas memórias.
E talvez,
possa descobrir
guiada pela brisa
da tua essência,
como
despedir-me de ti ,
Levando-te
Comigo .







Sarah Moustafa







terça-feira, 23 de maio de 2017

Décor .




Imagino como será esse esconderijo
onde me trancaste,  tão fundo em ti
onde me guardas segura
no baú dos teus tenebrosos
segredos.

Tenho esta curiosidade mórbida,

pois se tenho que passar uma eternidade,
nessa misteriosa moradia

Deixa-me escolher o papel de parede ,
E a cama onde entras voraz
Todas as noites
E decorar-te ,
Todo,
por dentro
com a estridência
e o encanto das palavras
De que és Pai.


Sabes que eu tenho bom gosto.







Sarah Moustafa